MMSocial
A+ A A-

Origem Tradicional

Origem Tradicional – música tradicional portuguesa

Fundado em 1978, desde quando tem militado ininterruptamente pela música tradicional, o Origem Tradicional é dos grupos mais antigos da cena tradicional, folk e popular portuguesa. Tem percorrido Portugal de lés a lés, entre teatros, festivais e romarias, e, internacionalmente, em certames culturais folk e junto de comunidades emigrantes lusas, onde transmitem nos seus concertos a alegria de todo um povo e o seu património secular que, segundo eles, importa preservar.

Conta com seis trabalhos discográficos: os LP “Hei-de Subir ao Paço” (edição de autor, 1985), “Origem” (edição de autor, 1993), "Um sol maior" (Açor, 2007) e o EP "Ai bira que bira..." (Açor, 2011), o EP de Natal “Linda Noite” (edição online, 2013), estando a lançar o seu quarto álbum LP, "As boltas do bira" (Açor, 2014). Sem desvirtuar o seu passado e as suas sonoridades, querem que o novo álbum marque um ponto de viragem, tornando o seu som mais contemporâneo, voltado para um futuro que está aí, onde querem ter um papel importante na mostra da riqueza das nossas tradições às novas gerações e aos povos de todo o mundo...

Inserido no Grupo Cultural de S. Mamede de Este (Braga), fundado a 14 de Fevereiro de 1978, o Origem Tradicional assume a sua paixão pela música tradicional, dedicando-se ao estudo e à divulgação do nosso património etnomusicológico, entre viras, malhões, chulas e demais ritmos do folclore português.

Origem Tradicional tem sido presença assídua em Teatros, desde o Theatro Circo e o Teatro Vita, em Braga, ao Teatro da SOIR em Évora, em Romarias um pouco por todo o Norte do País e grandes Festivais de Música Folk e Tradicional como o mítico Andanças da Pé de Xumbo - S. Pedro do Sul e Castelo de Vide, o Arredas Folk - Barcelos, o Castro Galaico - Braga, o MascarArte - Bragança, A Festa do Caldo de Quintandona - Penafiel, o Festival de Música Tradicional de Braga, Die Lange Nacht der Music - Munique, entre outros...

"Num país onde a música tradicional é pouco reconhecida e valorizada, com uma projeção mediática praticamente nula, é de felicitar a constância de tantos anos de trabalho musical do Origem Tradicional, que foi compilando um vasto reportório de recolhas e de temas originais, que assim vão reinventando a tradição.."

Sara Vidal in Sons Vadios

 

Formação

Francisco Serafim

(Percursões)

 Paulo Peixoto

 (Percursões)

Eduardo Castro

(Baixo Acústico)

Carlos Cruz

(Cavaquinho)

Ana Pereira

(Flautas)

Raquel Ferreira

(Voz)

Casimiro Pereira

(Guitarra e Voz)

Pedro Guimarães

(Bandolim e Braguesa)

Ligações

Origem Tradicional  – Oh, Bento Airoso

Origem Tradicional  – Nana para Ingalhar Meninas

Banda Musical de Vila Verde

A Banda Musical de Vila Verde foi umas das bandas que participou no I Concurso de Bandas Filarmónicas do Distrito de Braga. Veja um excerto da sua prestação.

A Banda Musical de Vila Verde foi fundada em 31 de Outubro de 1936, por uma comissão, composta pelos senhores Aníbal Feio Soares de Azevedo, António Augusto dos Santos, Manuel de Oliveira e Abílio Silva, com a denominação de Banda dos Bombeiros Voluntários, sob a regência do Sr. Abílio Silva.

Em 1939, a Banda adquiriu uma nova dinâmica pela mão do Sr. Dr. António Ribeiro Guimarães, que passou a pertencer à direção. A Banda passou a denominar-se Banda Municipal de Vila Verde.Em 1955 a regência da Banda passou a ser feita pelo Maestro Ferreira Pais e, em 1969, a Banda é suspensa por motivos de saúde do Sr. Dr. António Ribeiro Guimarães.

Em 1972, António Fernandes Soares Marinho, José Soares da Silva Lago, Manuel Augusto e António Fernandes do Lago, criaram os Estatutos Legais e a associação passou a ser denominada Banda Marcial de Vila Verde, mas, em 1974, é suspensa por motivos de saúde do seu Maestro.

Em 1981, retoma a sua atividade com a denominação de Sociedade de Educação e Recreio Banda Musical de Vila Verde, tendo como Maestro o professor, Alexandre Fonseca, sendo este substituído pelo seu irmão Sr. Agostinho Fonseca em 1985.
Em 1991, assumiu o cargo de Maestro, o Professor, Filipe Lopes da Silva e em 1996 volta a reger a banda o Sr. Agostinho Fonseca até 2002.

A partir de 2002 assumiu a responsabilidade artística desta banda, o Sr. António Ferreira da Silva.

Em 2010 a Banda Musical de Vila Verde grava o seu primeiro trabalho discográfico “Primum”. Em janeiro do ano corrente de 2012, a convite de Sua Excelência, Presidente da Republica, Professor Aníbal Cavaco Silva, a Banda Musical de Vila Verde, desloca-se ao Palácio de Belém para tocar e cantar as Janeiras.

Atualmente, a Banda Musical de Vila Verde, é constituída por 60 músicos efetivos, na sua maioria jovens. A Direção Artística está a cargo do Professor,Óscar Emanuel Vilhena Gonçalves.


Maestro

Óscar GonçalvesÓscar Gonçalves

Nasceu em Braga em 1976.

Iniciou os seus estudos musicais aos oito anos de idade, com o avô, que fora músico militar e maestro de bandas civis. Em 1985, ingressa no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian em Braga, para o 5º ano de escolaridade, onde iniciou o Curso de Clarinete, na classe do Professor Filipe Lopes da Silva. Nesse ano concorreu para o concurso “Prémio Jovens Músicos”, obtendo uma menção honrosa.

No 6º grau do Curso de Clarinete, concorreu para as Orquestras Particulares e para a Orquestra Portuguesa da Juventude, na qual ficou selecionado para 2º clarinete. Nesse mesmo ano fez vários recitais e concertos a solo, destacando-se o que realizou no Conservatório de Saint Dinis, em Paris. Fez também vários recitais com um grupo de música de câmara do Conservatório Calouste Gulbenkian.

No 7º grau do Curso de Clarinete, participou na MasterClass do Professor Guy Dangain, tanto na classe de clarinete como na preparação de orquestra. Atuou nesse ano com a Orquestra Clássica do Distrito de Braga, sob a direção do Maestro, António de Sousa Baptista. No 8º grau do curso de clarinete, participou no III Curso de Clarinete, em Castelo Branco, tendo atuado em grupos de câmara e na Orquestra de Clarinetes sob a direção dos Professores António Saiote, Carlos Alves;Rui Martins; Luís Gomes e Nuno Silva. Estreou no Auditório Adelina Caravana, a solo com a Orquestra de Câmara do Distrito de Braga o concerto de clarinete de W.A Mozart, sob a batuta do Maestro, António de Sousa Batista.

Foi durante três anos, solista na Orquestra do Conservatório Calouste Gulbenkian, em Braga. Em 1995 foi convidado para fazer parte da Orquestra de Clarinetes " Invicta", fundada e dirigida pelo professor António Saiote. Inserido na mesma, participou na gravação dos programas televisivos “Praça da Alegria” na RTP 1, juntamente com o cantor lírico Carlos Guilherme; e no programa “Fórum Musical” da RTP 2. Nesse mesmo ano ingressa na Universidade de Aveiro em clarinete na classe do Professor Luís Silva, tendo vindo mais tarde a abandonar e a ingressar na Escola Superior de Educação do Porto na área de Educação Musical. Mais tarde conclui a Pós-Graduação em Administração e Gestão Educacional.

Em 1997, integrou, como músico efetivo, a Orquestra Clássica de Pedroso (Porto), assumindo a função de primeiro Clarinete/ Solista, trabalhando com os Maestros, Cesário Costa, Leonardo Barros, António Saiote e António Victorino de Almeida. Participou no primeiro Congresso do Clarinete, em Lisboa, com a participação do Professor Walter Boykens. Juntamente com a Orquestra de Câmara de Pedroso, gravou o seu primeiro Compact Disk.

Em 2007 participou através da Banda Filarmónica de Amares, num estágio com o Maestro, William F. Malanbri.(E.U.A)

Desde 1995 que leciona a disciplina de Educação Musical sendo já Professor do Quadro de Nomeação Definitiva. Leciona também em regime acumulativo na Academia de Música Valentim Moreira de Sá em Guimarães na classe de Formação Musical.

Colaborou com diversas bandas civis, nomeadamente, Banda Musical de Calvos, Banda Filarmónica dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, Banda Musical Cabeceirense, Sociedade Filarmónica Vizelense, Banda de Música de Aboim da Nóbrega, Banda Filarmónica de Felgueiras, Banda Filarmónica de Couto Dornelas, Banda Musical de Vila Verde, Banda de Golães - Fafe, Associação Musical de Freamunde, Banda Filarmónica de Amares, Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense, entre outras.

Em 2008 assistiu o Maestro Vítor Matos em estágio, com a Orquestra do Conservatório de Música em Kaiserslautern - Alemanha.

Tem trabalhado com os mais variados Maestros e Professores, quer em Direção Artística, quer em Formação Musical e Instrumental, através de formações contínuas, quer em seminários, destacando os Maestros, António Victorino de Almeida, Leonardo de Barros, Altino Carvalho, Manuel Fernando Marinho, Agostinho Teixeira da Fonseca, entre outros.

Atualmente encontra-se inscrito no curso de direção de Orquestra e Banda de Música com o Maestro Navarro Lara e desempenha funções de Diretor Artístico na Banda Musical de Vila Verde.

 

Contactos

Avenida Prof. Machado Vilela
4730 – 721 Vila Verde

Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Sítio na Web: http://www.bandafilarmonica.pt/bandavilaverde

Telef: 253324843 | TM: 962349789

 

Pensão Flôr

Pensão Flor

HÁ UM CHEIRO NO AR. E ao longe um pregão a cruzar-se com o som de um navio que se despede da barra do porto. A tarde escurece e a viagem deve ser grande. Olho o mar. Um dia também eu hei de partir. Sabe-se lá por quê, ou porquem. Sabe-se lá para onde. As horas passam.  Perco-lhes a conta. E a noite fez-se fria. Mão no bolso, gola levantada, mais um cigarro, rua fora. A cidade não dorme e eu gosto de caminhar embalado por ela. Às vezes tenho vontade de ir embora. Buscar outros lugares, outros amores. Mas gosto de viver aqui. Talvez um dia assente e compre um casa. Não sei. Nunca sei bem o que quero. Volto à Pensão. A porta continua perra. 

- “Chegou correio para mim?”
Subo as escadas, entro no quarto. Dispo o casaco e pego na guitarra. Oiço os teus passos no corredor. Diria que abrandaste. Gosto da tua incerteza.

Pensão Flor. Lugar imaginário que a música vai tornando real. Doze quartos, doze histórias, doze canções. No corredor há portas que se abrem para o Fado, a morna, o tango … E em cada quarto, janelas viradas para a rua. Ao longe o mar, alma de um povo mestiço, castiço, numa noite de arraial. Guitarra portuguesa ou talvez não. A luz negra de um palco e a magia de uma tela de cinema. Espaço comum a 7 músicos que aqui partilham emoções, paixões, amores possíveis e impossíveis. Ponto de encontro ou ponto de partida? Na Pensão flor a porta está sempre aberta.

 
Formação
Vânia Couto Tiago Curado Almeida Luís Pedro Madeira Luís Garção Pedro Lopes Manuel Portugal Gonçalo Leonardo
Voz, composição Voz, guitarra portuguesa, composição Piano, acordeão, guitarra de aço, cavaquinho Guitarra acústica, guitarra clássica, viola beiroa Viola de fado Guitarra portuguesa Contrabaixo
 
Pensão Flor - Apresentação Pensão Flor - Book 2014

Os Sinos da Sé

Os Sinos da SéA Associação cultural e festiva "OS SINOS DA SÉ" assumiu a história do Grupo Folclórico de Professores de Braga, fundado ao ano letivo de 1978/79 na escola Francisco Sanches, com a finalidade de desenvolver unidades de estudo e recreio no âmbito das manifestações musicais e coreográficas que configuram aspetos da cultura popular minhota. Por força das suas intervenções continuadas em múltiplas situações de solicitação e contrato, privilegiando sempre as ligadas aos fins da educação e do convívio, mas também em romarias, festivais e espetáculos específicos, esta associação, sob o formato instalado de Grupo Folclórico, tem vindo a alargar os seus objetivos de pesquisa e de retoma, assumindo também, sem hesitação, os caminhos da criação. Os seus projetos nas diversas vertentes inspiram-se musical e culturalmente na vivência urbana e rural, por parte das populações, dos usos, costumes e tradições no seu quotidiano agrícola, de trabalho e celebração, quer profano, quer religioso. Os trabalhos rurais, mas particularmente as celebrações festivas integradas no calendário da vida das comunidades, particularmente o calendário litúrgico, de onde se destacam as festas ao padroeiro, as celebrações do Natal e dos Reis e outras, são os tempos e os locais que o grupo invoca, comemora e reproduz. Mas também se concebem e realizam projetos culturais que visam a memória musical e coreográfica de acontecimentos passados, ou seja, o grupo investiga e reproduz temas ilustrativos de momentos importantes na vida social portuguesa: as invasões francesas, a proclamação da República, por exemplo. Esta Associação gravou já quatro trabalhos: Cantemos o S. João, Nas Voltas do Vinho, Queremos dar-Te Graças (CD e DVD) e Santos Reis, Santos Coroados. Está em preparação um novo trabalho Cantar Sá de Miranda, com temas originais de inspiração folclórica.

Os Sinos da Sé em Viana

Repertório do Festival Internacional de Folclore de Braga 2007

O repertório que esta associação mobiliza para as suas atividades resulta quer de recolhas junto das populações e dos grupos, quer da reinterpretação das fontes, quer da própria criação dos seus elementos constituintes, dentro de um quadro de referências provenientes da tradição.

- A primeira dança, que servirá de oportunidade para a apresentação e estenderete dos elementos componentes, tem como suporte musical uma caninha verde aprendida junto do senhor Catarino, homem recentemente falecido e que foi tocador de concertina em grupos e tocatas do concelho de Barcelos, nomeadamente no de Aldreu. A esta caninha verde juntou o Grupo uma letra com exposição dos objectivos da festa, que é interpretada por uma voz masculina e por uma feminina, em jeito e estilo de improviso calculado. A coreografia é própria das canas verdes, danças que concretizam uma celebração de amizade e de boas relações sociais, com uma estilização da figura dos oitos que é simbólica desse espírito de entrelaçamento que faz a comunidade – Cana Verde de entrada.

- A segunda dança foi aprendida de ouvido junto da D. Maria, uma senhora idosa do Lar de S. José desta cidade, recordação dos seus tempos de jornaleira em Porto de Ave, quando a dança no terreiro, pertinho da Igreja, constituía uma oportunidade de convívio e de conhecimentos, com vigilância aliviada. Trata-se de um vira de roda, com o divertimento das duas voltinhas e do rodopio entre os pares - Alargai-vos, raparigas, que o terreiro é estreito.

- A terceira dança constitui uma invenção para os bailes à Senhora do Sameiro que ocorreram no ano do Centenário da Coroação da mesma, em 2004 e cuja organização esteve a cargo de elementos desta Associação. Mas invenção não quer dizer arbitrariedade, antes espelha o trabalho de recolha dos elementos que tipificam os malhões enquanto coreografia de celebração efusiva de um acontecimento relevante, seja ele a malhada, a vindimada ou o simples baile numa qualquer festa ainda realizada neste torrão minhoto. O Malhão do Sameiro reúne letras de inspiração laudatória à Senhora, combinando-as com um estribilho instrumental que propicia os volteios entre os pares, o vai de roda e as idas e vindas ao centro.

- Finalmente a Tocata interpretará um vira de inspiração amorosa para divertimento geral, podendo os pares que assim o desejarem subir ao palco para exibirem os seus dotes e jeitos de dançar. Ó meu amor, anda, anda – vira geral. 

 

Apoios Bobina Studio

Facebook Música e Músicos
Canal Youtube - Música e Músicos