MMSocial
A+ A A-

Sara Braga Simoes

Sara Braga Simoes, Soprano

Sara Braga Simões formou-se em Canto pela Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo do Porto em 2001, tendo mais tarde tirado o Mestrado na Universidade de Aveiro em 2011. Atualmente está a fazer o doutoramento em “Music Performance” na Universidade de Aveiro.

Sara Braga Simões venceu vários prémios nacionais e internacionais. A crítica internacional de ópera descreve-a como uma soprano de extensão impressionante (Opera Now) e com um desempenho excecional (Opera Magazine).

É convidada regular nas temporadas do Teatro Nacional de São Carlos e nos principais teatros, salas de concerto e festivais de música portugueses. Tem-se apresentado, também, em Espanha, França, Inglaterra, Eslovénia, Andorra e Moçambique.

Em ópera, interpretou dezenas de papéis principais dos quais se destacam Pamina (A Flauta Mágica), The Governess (The Turn of the Screw, Britten), Gretel (Hänsel und Gretel), Susanna (Le Nozze di Fígaro), Rita (Donizetti), Zerlina (Don Giovanni), Despina (Così fan Tutte), entre dezenas de outros.

O seu repertório concertístico abarca obras de compositores como Händel, Pergolesi, Vivaldi, Ravel, Berio, George Crumb, George Benjamin, Peter Maxwell Davies e também as obras Messiah de Händel (com a orquestra Metropolitana), Ein Deutsches Requiem de Brahms, Gloria de Poulenc (ambos para o Teatro Nacional de São Carlos) e Des Knaben Wunderhornde Mahler (para a Casa da Música), entre outras.

Sara Braga Simões foi a soprano escolhida para o papel principal feminino na estreia absoluta de sete óperas do século XXI e para a estreia de muitas obras de compositores consagrados como João Pedro Oliveira, Nuno Côrte-Real, Luís Tinoco, Carlos Azevedo e Aubert Lemeland. Destaca-se a estreia absoluta da ópera O Sonho de Pedro Amaral, em Londres, com a London Sinfonietta.

Foi dirigida por maestros como: Lawrence Renes, Martin André, Stefan Asbury, Peter Rundell, Johannes Willig, Laurence Cummings, Marcos Magalhães, Ferreira Lobo, Cesário Costa, António Saiote, Marc Tardue, Osvaldo Ferreira, Pierre-Andre Valade, entre outros.

Os seus concertos são frequentemente gravados pela RTP e RDP. Gravou, com o pianista Luís Pipa, a integral da obra para Canto e Piano de Eurico Thomaz de Lima.

Ao longo do seu percurso académico, Sara Braga Simões teve como mestres Manuela Bigail, Rui Taveira e Peter Harrison.Continuou os seus estudos em Londres com Susan McCulloch. Atualmente, recebe orientação de Elisabete Matos

Ligações

URL: sarabragasimoes.blogspot.pt

 Sara Braga Simões

Entrevista - António Victorino de Almeida

António Vitorino de Almeida

Entrevista com António Victorino de Almeida onde nos fala, para além da sua vasta carreira musical, da sua visão sobre a situação atual do país, do atual panorama da música em Portugal e não só.

“… que existam orquestras sinfónicas, deveriam existir quatro ou cinco no país, porque temos material humano para isso!...”

e

“Deixem-me ajudar!”

são algumas das vontades expressas pelo Maestro nesta conversa com o Música e Músicos.

Liliana Coelho

Liliana Coelho

Liliana Coelho

Natural de Braga, Liliana Sofia Coelho, iniciou os seus estudos musicais no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. Foram marcos importantes na sua orientação vocacional, a professora e amiga Manuela Bigail e o professor Filipe Silvestre. Terminou a licenciatura em Canto com distinção na ESMAE, nas classes dos professores José de Oliveira Lopes, Rui Taveira e Norma Silvestre. Valorizou a sua formação na área do ensino do Canto na Universidade de Aveiro e defendeu em dissertação: Da Inserção do Canto no Ensino Básico em Portugal.

Ao longo do seu percurso teve a oportunidade de aperfeiçoar os seus conhecimentos com a experiência de artistas e profissionais de renome internacional tais como: Peter Harrison, Ingrid Kremling, Galina Pisarenko, António Salgado, Isabel Malaguerra, Jeff Cohen, Jill Feldman, Muriel Corradini, Graziela Calvani, Jaime Mota, Philip Langridge, Tara Harrison, Marieke Spaans, Lada Valesova, Eugene Asti, Enza Ferrari, Laura Sarti, Luis Giron May, Elisabete Matos; e dirigida pelos Maestros: Pierre-Andre Valades, Peter Bergamin, Martin André, Laurence Cummings, William Lacey, Luís Carvalho, António Saiote, António Sérgio, Josep Caballe-Domenech, José Manuel Pinheiro, António Baptista e Joana Carneiro.

Estreia

Fez a sua estreia em ópera com a Cousinière em «O rouxinol» de Stravinsky, interpretou também: a Fúria de «L’ ivrogne corrigé» de Gluck, Elle em «La Voix Humaine» de Poulenc, Hoodpeecker em «A raposinha matreira» Janacek, Vespina em «La Spinalba» de Francisco António de Almeida, Cherubino e Susanna em "As bodas de Fígaro" de Mozart, Duquesa em «A bela adormecida» de Respighi e Lucy da Opera Dreigroschenoper de Kurt Weill.

No domínio da oratória interpretou: Chichester Psalms de Leonard Bernstein, Gloria de Vivaldi, La Giuditta de Francisco António de Almeida, Gloria a 7 voci de Monteverdi, Magnificat de J. S. Bach, Gloria e Magnificat de A. Vivaldi, Requiem de Mozart, Te Deum de Charpentier, o Requiem de Fauré integrado no Ciclo Coral-Sinfónico de Amorim e a Paixão Segundo S. João de Joaquim dos Santos.

Colaborou por diversas ocasiões com a Orquestra do Norte, Sinfonieta ESMAE, Orquestra de Câmara de Braga, Santa Cecília Ensemble, Remix, Remix Barroco, Orquestra Filarmónica das Beiras e com a Orquestra Nacional do Porto é de destacar a interpretação da 4ª Sinfonia de Mahler, a 3ª Sinfonia de Carl Nielsen e o Anjo Gabriel / Eva na "Criação" de J. Haydn.

Orientada por Peter Harrison foi membro do projeto Estúdio de Opera da Casa da Musica do Porto até à sua extinção, onde a apresentação em recital mensal facultava o prazer e a oportunidade de interpretar reportório variado desde música portuguesa, Lied, Canção, Oratória, gala de Opera e em várias produções de ópera. Teve privilégio de fazer a estreia absoluta do ciclo “Os frutos dos Anjos” de Nuno Corte Real, uma encomenda Casa da Música.

Em recital duo com o pianista David Ferreira apresentou vários géneros de repertório, sendo mais frequente a interpretação de música portuguesa, espanhola e brasileira, porém foram marcantes os concertos de obras sacras em Roma na Igreja de Santo António dos Portugueses e na Basílica de S. Pedro, bem como o Recital de Lied onde interpretamos Reinaldo Hahn e Brahms na Casa da Música do Porto.

Apresentou-se, recentemente, em recitais numa formação de piano, tenor e soprano com o tema "O Canto da Primavera" e em Galas de Ópera com Coro e Orquestra.

Educação

Foi docente nas seguintes escolas: CLIP, Valentim de Carvalho, Escola de Música de Perosinho, Academia de Barcelos e Arteduca.

Fez parte do corpo docente do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga (2008-2013), local onde coordenou vários projetos artísticos e fez, com sucesso, a inserção de Canto no EB a partir do 1º ciclo, tornando o CMCG, nesta especificidade, numa escola pioneira ao nível nacional. No nível dos alunos do ensino secundário, obteve com os seus alunos excelentes classificações nas provas de acesso ao Ensino Superior.

Atualmente orienta artisticamente o Coro Infantil de Amorim, o Coro Infantil de Laúndos e o Coro Manuel Giesteira.

Ligações

URL: lilianasofiacoelho.blogspot.pt

Liliana Coelho

 

 

Sofia Sarmento - Testemunho da minha experiência enquanto aluna de piano em Londres

O Desafio

Vim para Inglaterra no início deste ano letivo, em Setembro de 2013, a fim de realizar uma pós-graduação em piano performance, na Trinity Laban Conservatoire of Music and Dance - Universidade de Greenwich, em Londres. Tinha realizado os pré-requisitos de entrada meio ano antes, e depois de saber que a porta para a realização de um dos meus grandes sonhos se abrira, preparei toda a minha vinda.

Os motivos que me trouxeram a Londres prendem-se muito com as características da cidade em si, que me completam e me permitem crescer sob o ponto de vista pessoal e pianístico.

Se por um lado Londres é uma das cidades centro da música na Europa, com uma atividade artística muito forte e ao mais alto nível, por outro lado é também uma metrópole riquíssima em museus, catedrais, jardins e espaços bonitos e maravilhosos para se conhecer e visitar.

Sinto-me muito feliz e motivada, e seguirei contando um pouco da minha experiência na minha nova cidade.

A Universidade

A minha universidade situa-se no sudeste de Londres, um pouco afastado do centro (zona dois), numa área chamada Greenwich. É um dos espaços verdes da cidade, junto do rio Tamisa, e onde se encontra o meridiano que marca o relógio inglês e também português, servindo de referência para estabelecer os fusos horários. Algumas das atrações turísticas mais reconhecidas de Greenwich são o Museu Nacional Marítimo, o Observatório Real, o mercado típico londrino, a casa da Rainha, e o navio Cutty Sark. Considero o espaço especialmente bonito e agradável, e o ambiente envolvente muito pacífico e saudável.

Durante a semana estou regularmente muito preenchida com todas as atividades que tenho na universidade. A minha pós-graduação é muito vocacionada sobre a vertente prática do piano, e tenho aulas todos os dias de disciplinas variadas como piano, música de câmara, improvisação, acompanhamento, pedagogia de piano, portfólio artístico, e uma espécie de masterclasse ou aula de piano em grupo para todos os alunos, às quintas-feiras, a que chamamos Tutorial Classe.

O plano curricular dá-nos uma visão muito vasta sobre as várias competências da performance, preparando-nos de forma muito aberta e consciente para o tipo de vida e de carreira que as pessoas têm nesta área em Inglaterra depois de terminar um curso. É bom sentir que aprendo coisas novas e que o espírito aqui é sempre muito aberto a novos conceitos (“open mind”).

Tenho investido muito tempo no estudo de piano, preparando novo repertório e participando em projetos muito variados que me permitem alargar a minha experiência tanto a solo como em música de câmara, e tudo isso se torna possível devido às condições físicas da escola, que dispõe de imensas salas com pianos de cauda para estudar, e ao acompanhamento muito personalizado que temos por parte dos nossos professores.

Multiculturalidades

A classe de piano da escola é constituída por alunos de vários países europeus (França, Itália, República Checa, Grécia, etc.) e asiáticos (China, Japão). O nível é bastante alto o que incentiva um estudo muito metódico, e todos estamos inseridos dentro de um plano de atividades como ciclos de recitais de piano organizados em várias igrejas e espaços ao redor da escola, ou a ela relacionados.

Sinto que ter conquistado a oportunidade de estudar nesta escola tem sido um objetivo muito bem recompensado por tudo o quanto tenho aprendido nela, as oportunidades que através dela posso usufruir e todas as pessoas que aqui tenho conhecido. Londres é uma cidade culturalmente fantástica pelo que toda a minha experiência aqui tem contribuído imenso para o meu enriquecimento musical.

Apoios Bobina Studio

Facebook Música e Músicos
Canal Youtube - Música e Músicos