MMSocial
A+ A A-

The Norton's Project

The Norton´s ProjectThe Norton's Project

António Norton, intérprete, autor e compositor, neto de António Gedeão lidera THE NORTON’S  PROJECT. Este  grupo,  referenciado pela critica  internacional  (USA Songwriting Competition’s Song Critique Week) e nacional, tem tido por parte do público a maior adesão e impacto, facto pelo qual está neste momento a preparar a sua primeira tour nacional.

Este projecto nasceu de uma urgência de comunicar, de expressar, de partilhar, de criar, de libertar emoções e palavras, através da magia e da intensidade da música. 
As primeiras canções nasceram no Verão de 2008. Palavras e melodias espontâneas, celebradas através do piano ou da guitarra.

The Norton's ProjectViajando entre o pop e o jazz, passeando pelo blues, pelo ska e dando uns passinhos de reggae… entre as sonoridades quentes e inebriantes do saxofone, até ao romantismo e à melancolia do violoncelo, com solos rasgados de guitarra elétrica, condimentados com o ritmo do piano e o balanço do contrabaixo e da bateria. Assim são os The Norton´s Project. Um conjunto de músicos que se reúnem para dar vida a canções originais escritas em Inglês, que assumem na sua variedade de estilos, de formas e de mensagens, a sua originalidade. O que todas têm em comum é a vontade de contar histórias e partilhar emoções sejam elas de alegria, euforia, felicidade, amor, dor ou melancolia.

The Norton´s Project é o projeto de originais de António Norton, com temas escritos em Inglês que procuram chegar a todos e prometem contagiar quem os oiça!

Os The Norton´s Project são:  António Norton (voz), António Neves da Silva (piano), Miguel Menezes (contrabaixo), Pedro Guerne (Bateria), João Diogo Roque (guitarra eléctrica), Tiago Cordeiro (saxofone) e Ana Garcez (violoncelo).

LigaçõesPaula Cordeiro 
Up Music Talents

The Norton's Project Sun

www.facebook.com/thenortonproject

TABANKA DJAZ

Tabanka DjazTABANKA DJAZ – “Depois do Silêncio" – Regressam da Guiné-Bissau!

Depois do sucesso que a apresentação do CD “Depois do Silêncio” teve em Portugal e Angola, os Tabanka Djaz regressam agora da Guiné-Bissau de “alma-cheia”! Esta ação de promoção internacional tem sido um estrondoso sucesso, por onde quer que os Tabanka Djaz passem!

Os TABANKA DJAZ oriundos da Guiné Bissau, formaram-se em 1988 e em menos de um ano a sua visibilidade nacional e internacional foi tal, que após uma tour nos EUA resolvem gravar o seu primeiro álbum a que deram o nome do Grupo “Tabanka”, editado em Janeiro de 1990. Estava assim traçado o percurso de um Grupo de sucesso, agora com vinte cinco anos de vida.

Entre tours por Angola, Moçambique, Senegal, França, Luxemburgo, Holanda, EUA, Cabo-Verde, etc., os TABANKA DJAZ ofereciam aos seus fãs novos sucessos editando Indimigo em 1993, e Sperança que em 1996 os consagra em definitivo ao atingir quarenta mil exemplares vendidos, recebendo da Associação Fonográfica Portuguesa os discos de Prata, Ouro e Platina. Em 1997, ainda com este trabalho, o Grupo é nomeado para o Ngwomo África o equivalente aos Grammys no Continente Africano.

Em 1999, a convite de Martinho da Vila, participam no projeto «Lusofonia» e consolidam o seu estatuto, em especial a nível de embaixadores do Gumbé, um ritmo musical oriundo da região de Bissau.

Em 2002 editam “Sintimento” no qual participam grandes músicos como Martinho da Vila, o guitarrista guineense Tony Dudu entre outros, num álbum recheado de novas sonoridades.

Tabanka-DjazA perda de um importante e querido elemento do Grupo, o teclista Caló Barbosa em 2006, a crise financeira que arrasou a indústria musical nacional e o regresso a Angola do baterista Dinho Silva em 2008, ditaram onze anos de silêncio, que agora terminam graças à determinação do grupo em responder prontamente aos inúmeros pedidos dos seus fãs por todo o mundo.

Atualmente a formação base é composta por 4 elementos. São eles o cantor e guitarrista Mikas Cabral, o baixista Juvenal Cabral e os teclistas Jânio Barbosa e Mimito Lopes.  Ao vivo juntam-se o baterista Cau Paris, o percussionista Kabum e os sopros, Lars Arens no trombone, João Capinha no sax e Cláudio Silva no trompete.

“Depois do Silêncio apresenta-se assim como a celebração de 25 anos de carreira em 2014 dos TABANKA DJAZ, inspirado como sempre pela sua alma africana, pela sociedade actual, pelo nosso país, e claro pelo amor, espelhado no single...”Foi Assim”.

Tabanka-Djaz Tabanka-Djaz

Ligações
Paula Cordeiro
 

Up Music Talents

 

Tabanka Djaz - Foi Assim

www.facebook.com/tabankadjazoficial

 

 

 

 

 

 

Natalino Jesus

Natalino JesusNatalino Jesus - Este meu Fado

Natalino de Jesus nasceu na Madragoa, um dos bairros mais típicos da cidade de Lisboa, paredes meias com o vetusto convento das Bernardas, ao quase místico Largo das Madres. Desde menino que conviveu na ambiência da música popular portuguesa e mormente do Fado.

A paixão pela cidade, as suas cores e tipos, as varinas, as marchas populares, desde cedo estão patentes na forma singular como interpreta.

Depressa o prazer de cantar o levaria à sua profissionalização enquanto fadista, com apenas 15 anos. Após ter vencido a “Grande Noite do Fado - 1985” – o mais importante festival nacional de fado – começa a gravar, tendo já mais de 200 temas em discos. É, no entanto, ao vivo e nas inúmeras casas de fado da cidade onde sempre tem cantado, que se reconhece o seu valor como intérprete da grande música nacional portuguesa. Além dos seus discos a solo destaca-se também num projeto (Fado para Dois) em que juntamente com Lenita Gentil, gravou dois discos em dueto com temas emblemáticos e algumas criações.

Natalino tem desempenhado um importante papel junto das comunidades portuguesas como embaixador do fado. De entre estas participações e espetáculos, salientam-se as suas passagens por Angola, República Democrática do Congo, Estados Unidos da América, Canadá, Alemanha, Suécia, França, Irlanda, Holanda, Inglaterra e Espanha.

São também de salientar as vezes que já participou em programas televisivos, tanto em Portugal como no Estrangeiro, designadamente Estados Unidos da América, Canadá e Angola.

Natalino JesusO seu repertório inclui fados com poemas de autores tão consagrados como Camões, Alexandre O’Neill, Martinho da Assumpção, José Régio, António Botto e Fernando Pessoa.

Inúmeras vezes padrinho das Marchas Populares de Lisboa, a festa mais significativa da cultura popular lisboeta - em representação de diversas coletividades e bairros (Madragoa, Mouraria e Bairro Alto), Natalino é querido de um povo que vive e sonha saudade e poesia.

A comemorar 25 anos de carreira preenchidos com mais de 200 temas gravados e espetáculos por todo o mundo, Natalino de Jesus emprega toda a sua experiência em 2 anos de trabalho intenso em torno do álbum “Este meu Fado”, um disco que mistura temas inéditos e algumas recriações, utilizando novas roupagens a nível musical além da sua interpretação. Este meu Fado é um álbum que ilustra a forma singular como Natalino de Jesus interpreta o fado e suas influências, através da paixão que nutre pela vida e pela cidade que o viu nascer - Lisboa. Conta também com a participação de Rão Kyao, cuja colaboração neste álbum veio enriquecer tanto o seu nível musical como o seu conteúdo final.

Este meu Fado é escrito por autores bastante reconhecidos que dispensam apresentações: José Luís Gordo, Vital Assunção, Rão Kyao, Vasco Graça Moura, Fernando Tordo entre outros.

Musicalmente conta com a participação de Fernando Silva na guitarra portuguesa, Carlos Macieira na viola de fado e Paulo Ramos na viola baixo, não esquecendo a presença de Rão Kyao que garante o selo de qualidade exigida para este álbum.

Toda a experiência adquirida durante todo o percurso de produção e gravação deste disco, com todas as vontades e influências, leva-nos a afirmar que estamos na presença do melhor trabalho discográfico de Natalino de Jesus, levando o mesmo a considerar que Este meu Fado "é o meu disco".

LigaçõesPaula Cordeiro Up Music Talents

www.facebook.com/Natalinojesusoficial

Pablo Lapidusas

Pablo Lapidusas

Nascido em Buenos Aires, infância em Poços de Caldas, com graduação em música em Campinas (Unicamp), Pablo Lapidusas vive atualmente em Lisboa, onde terminou recentemente o mestrado em performance jazzística. Na última década e enquanto vivia no Rio de Janeiro, o pianista percorreu diferentes países, atuando ao lado de artistas como Eduardo Dussek, Zezé Motta, Wanda Sá, I Musici de Montreal, Jimmy Dludlu, Célia Vaz, Victor Biglione, Quarteto em Cy, Edu Lobo, Carlos Malta, Bena Lobo, Sandra de Sá, Cesar Camargo Mariano, Hermeto Pascoal e Marcelo D2. 

Trajeto de um livre cidadão do mundo (e da música), que, em parte, explica o título escolhido para seu segundo disco “Estrangeiro”, gravado em estúdios de Lisboa, Rio, Buenos Aires, Maputo, Los Angeles e Londres, no antológico Studio 2 de Abbey Road. Um estrangeiro, “conduzindo” o seu piano e que, sem fronteiras entre popular, clássico ou jazz, transita e improvisa por Duke Ellington, Gilberto Gil, Chico Buarque, Lennon & McCartney, Tom Jobim, Ennio Morricone, Edu Lobo e João Carlos Schwalbach. Composições tratadas com criatividade, algumas delas com introduções da autoria de Pablo Lapidusas, o que resultou em músicas novas, mesmo que conhecidas, e saudavelmente difíceis de catalogar. No princípio, canções populares, mas com tratamentos que vão do clássico ao jazz e voltam ao pop. O conceito de “Estrangeiro” que saiu no Brasil pelo selo Kalamata e no resto do mundo pela Ekaya Productions começou a nascer após o primeiro disco, “Ouriço” (Delira Música, 2008 / Kalamata, 2011), privilegiando um repertório que sempre o acompanhou. Assim encontrou o formato que desenvolveu nesse périplo por tantos estúdios, imprimindo a sua impressão digital a partir de estímulos de uma diversificada formação artística. 

Em Lisboa o seu CD “Estrangeiro” com o apoio oficial da rádio Antena 2, foi lançado no carismático berço do Jazz português a 3 de Abril de 2014, onde viu reconhecido o seu extraordinário talento e versatilidade, por um público exigente e conhecedor do melhor do Jazz mundial. Nesse mesmo dia, foram apresentados e efusivamente aplaudidos no HCP os PLINT- Pablo Lapidusas International Trio (Pablo Lapidusas - piano, Leo Espinosa – baixo elétrico, Marcelo Araújo – bateria), começando assim mais um desafio.

Desde essa data, não mais parou. A uma tour em Portugal a solo com mais de vinte datas, sucedeu-se uma no Brasil (solo) com doze concertos e uma tour na África do Sul e em Moçambique com os PLINT, que deu azo a excelentes entrevistas/críticas de uma das mais conceituadas críticas de Jazz no continente africano Gwen Ansell.

Entre tours, os espetáculos sucedem-se a cada regresso a Lisboa, onde não mais parou de tocar. Fecham-se agora as últimas datas para uma tour europeia (Suécia, Itália, UK, Alemanha e França), ao mesmo tempo que se preparam concertos em Cuba e uma tour na América Latina 2014/2015.


 

 

 Antena 2

Ligações:
Paula Cordeiro Up Music Talents

URL: www.pablolapidusas.com

 Pablo Lapidusas

Pablo Lapidusas

Pablo Lapidusas International Trio live in HCP

Pablo Lapidusas- Upa Neguinho

Pablo Lapidusas Abbey Road Piano Session - Blackbird

P.L.I.N.T - Pablo Lapidusas International Trio (EPK)

 

Critica: DBLive

Apoios Bobina Studio

Facebook Música e Músicos
Canal Youtube - Música e Músicos