MMSocial
A+ A A-

FIGA - Festival Interatlântico da Gaita-de-foles

O I Festival Interatlântico da Gaita-de-foles pretende tornar o Porto uma referência internacional deste instrumento, que invadirá a cidade de 23 a 27 de Abril de 2014.

Músicos, pedagogos, didatas, conferencistas e formadores portugueses e estrangeiros estão entre as centenas de participantes que vão estar espalhados em múltiplas iniciativas dispersas pela cidade em iniciativa promovida pela Cooperativa de Solidariedade do Povo Portuense.

A iniciativa pretende afirmar o Porto no contexto internacional, como provável ponto de partida deste instrumento para o norte atlântico e Brasil, onde foi o primeiro instrumento europeu a soar no continente americano, a 22 de Abril de 1500.

A pedagogia e a iniciação ao instrumento, o concerto didático e a relação com as escolas, a divulgação, animação de espaços públicos e a espetacularidade, bem como oficinas de iniciação e aperfeiçoamento, são parte importante da iniciativa, com várias conferências, debates e exibições, que se espalharão em vários pontos da cidade.

A “teoria” de que terá sido Portugal a exportar o instrumento para a Escócia, onde é instrumento nacional, é um dos temas em debate.

Além do Porto, em Portugal o instrumento está atualmente mais enraizado em Trás-os-Montes, Minho e região de Coimbra, representadas no triskel que serve de logotipo da iniciativa.

A nível de referência cultural, o Porto não criou ainda uma identidade reconhecida que faça justiça à sua posição geográfica. A médio prazo, pretende-se que a gaita-de-foles seja mais uma porta cultural e a cidade uma referência internacional neste instrumento.

Consulte aqui o Cartaz

Arrefole

Os Arrefole – Folk progressivo português, são um grupo português que procura interpretar a música representativa do povo, vendo-a como fundamental para a compreensão da realidade do nosso tempo.

“Oriundos de um meio urbano, tentam recriar uma experiência sonora que tenha a ruralidade como pano de fundo.(...) Encravados no eterno conflito entre tradição e modernidade, entre um tempo que insistem ainda não ter passado, e outro, que estão seguros que já chegou, tocam o que a sensibilidade e a circunstância de um povo lhes transmite...” 

Embora o nome e a banda Arrefole exista desde 2000, em jeito de laboratório de experiências sonoras no universo da música tradicional, o projecto Folk, surge e desabrocha verdadeiramente em 2006 com o lançamento do primeiro trabalho discográfico – o álbum “Veículo Climatizado”, editado em CD, resulta com um vincado carácter concetual, embora nascido do manancial de temas tradicionais tocados ao vivo em concertos por todo o País (Portugal Continental e Ilhas), nas vizinhas Galiza e Castela (Espanha) e na Alemanha, onde cativam o público com a sua energia e a alegria das suas músicas. Traduz-se num ponto de viragem, em que se pretende transformar um conjunto de boas ideias num projeto sério e duradouro.

Álbum

Este álbum “Veículo Climatizado”, foi distinguido como o Melhor Álbum Revelação de 2006 segundo o programa “Sopa de Pedra” da Rádio Universitária do Algarve.

Renascidos em 2009, respondendo a um público fiel que segue o seu trabalho com curiosidade e entusiasmo, encontram-se presentemente em pré-produção do 2º trabalho, que desejam mais maduro e prometem mais arrojado ainda.

Formação
 

Daniel Pereira

(Cavaquinho, Bandolim, Braguesa, Guitarra)

Gonçalo Cruz

(Gaitas de Fole europeias, whistles e flautas)

João Conceição

(Percussões)

Nuno Flores

(Guitarra e Bouzouki)

Raquel Ferreira

(Voz)

Ligações

Arrefole  – Viva quem toca o pandeiro

Arrefole  – Marinheiro

Arrefole  – Metromeno

Manuel Freire

Manuel Augusto Coentro de Pinho Freire, nasce a 25 de Abril de 1942 em Vagos. Em 1945 vai para Ovar, onde vive mais de 40 anos, residindo desde 1988 em Vieira de Leiria.

EDUCAÇÃO

Depois de estudar em Ovar, completa o curso do Liceu em Aveiro. Em 1962 frequenta Engenharia Química na Universidade de Coimbra, transferindo-se, por exigência paterna para a Universidade do Porto em 1963. Interrompe os estudos em 64 para cumprimento compulsivo, durante 3 anos, do serviço militar em Mafra, Ota e Monsanto, tirando na Força Aérea o curso técnico de “Armamento e Equipamento de Aviões”.

Ainda durante o ensino secundário frequenta durante dois anos o “British Council”. Após o serviço militar ingressa na firma “F.Ramada”, em Ovar, onde trabalha 21 anos. Durante esse período faz dezenas de cursos técnicos de Informática, Marketing, Gestão de Recursos Humanos e Formação de Pessoal, no Porto e Lisboa, desenvolvendo os seus conhecimentos de Francês e Inglês, que completa com frequentes viagens, profissionais e não só, à Europa e à América do Norte.

Fala e escreve correntemente, Francês, Inglês e Castelhano, tendo ainda alguns conhecimentos de Italiano e Alemão.

ATIVIDADE PROFISSIONAL

Após terminar o serviço militar ingressa na firma “F.Ramada” como “Operador de Informática”, trabalhando nessa área de atividade 17 anos, consecutivamente como “Operador”, “Programador”, “Analista”, e durante 7 anos como responsável do Serviço de Informática, chefiando 30 pessoas num universo de 1200 trabalhadores. A convite da Administração da empresa, troca a Informática pela área comercial, sendo durante 4 anos responsável pela exportação da empresa. No último ano em “F.Ramada” passa a responsável pela “Formação” do pessoal.

Durante todos estes anos visita dezenas de Feiras de Informática e Industriais em Espanha, França, Inglaterra, Alemanha, Canadá e Estados Unidos da América do Norte, deslocando-se ainda por razões profissionais, à Bélgica, Brasil e Angola. Concebe, organiza, monta e dirige stands da empresa em várias Feiras Industriais na Alemanha, Canadá e E.U. da América do Norte.

Em 1988, por exclusiva decisão sua, abandona “F.Ramada” e ingressa na “Empresa de Limas União Tomé Féteira”, em Vieira de Leiria, onde, durante 11 anos, é Diretor Comercial. Nesse período organiza e dirige todos os anos, o stand da empresa na Feira de Colónia e na bienal  Feira de Bilbau.

Em Setembro de 1999 e por exclusiva decisão sua, abandona a firma, tornando-se “empresário em nome individual” na área da música.

Em Setembro de 2003 é eleito para Presidente da Sociedade Portuguesa de Autores e em 2006 é reeleito para a mesma função. Em 2010 recusa a candidatura a novo mandato e abandona a SPA, por razões de saúde.

ATIVIDADE SOCIAL/POLÍTICA/MUSICAL

Em 1958 participa ativamente na campanha de Humberto Delgado para a Presidência da República, participando também nas campanhas eleitorais de 1969 e 73. Faz parte da organização dos “Congressos Republicanos” de Aveiro em 69 e 73.

Com 14 anos é co-fundador de uma coletividade, “Grupo Atlético Vareiro”, sendo dela eleito dirigente por várias vezes até 1974. Em 1982 é co-fundador de uma cooperativa cultural, “Sem-Margem”, e de um Jornal quinzenário, “Terras do Var”.

Nos primeiros anos do Século XXI cumpre dois mandatos como dirigente do “Sport Operário Marinhense”, coletividade da Marinha Grande.

Desde os 16 anos é ativista cultural, político e social, tendo sido por várias vezes eleito delegado sindical e membro da “Comissão de Trabalhadores” de “F. Ramada”.

Em Maio de 74 é eleito membro da “Comissão Administrativa” da Câmara de Ovar, nela permanecendo até à sua extinção. Em 1978 é eleito vereador da mesma Câmara. Desde 74 é candidato inúmeras vezes às “Autárquicas”, “Legislativas” e “Europeias” pelo MDP/CDE, FEPU, APU e CDU.

Em 1995 é-lhe atribuída pela Presidência da República a “Ordem da Liberdade” e em 1996 recebe a “Medalha de Prata” do Concelho de Ovar.

Começa a cantar muito novo, compondo músicas para poemas de diversos autores Portugueses, Brasileiros e Franceses. Desde então canta poetas portugueses (Carlos de Oliveira, Sidónio Muralha, José Gomes Ferreira, Manuel da Fonseca, António Gedeão, Martinho Marques, José Saramago, José Fanha, Pedro Tamen, Manuel Alegre, Vitorino Nemésio, Fernando Assis Pacheco, Vasco Pereira da Costa, etc.....) Seguindo o caminho apontado por José Afonso e Adriano Correia de  Oliveira,  põe desde logo a sua atividade nesse campo ao serviço das causas da Educação, Democracia e Liberdade, cantando de Norte a Sul de Portugal, para Coletividades Populares, Sindicatos, Associações de Estudantes, Ass. Culturais, Escolas, Bibliotecas, Ass. Recreativas, JOC, LOC, JEC, Autarquias, etc.., ultrapassando já os 1500 espetáculos. Canta em vários outros países da Europa, América e África. Compõe e interpreta música para Teatro e Cinema. Um texto que escreveu para uma canção, “Eles”, figura em diversos livros de ensino como introdução ao tema da Emigração. Participa em inúmeros programas de Rádio e Televisão, gravando vários discos (ver discografia).

Em 1969 surge no programa de televisão “ZIP-ZIP” com a canção “Pedra Filosofal” sobre poema de António Gedeão, que contribui decisivamente para o seu conhecimento pelo “grande público”.

Ainda em 1969 recebe o prémio da “Casa da Imprensa”, em 1970 o prémio “Pozal Domingues”, em 1995 a “Ordem da Liberdade” e em 1996 a Medalha de Prata do concelho de Ovar.

Em Setembro de 1999 abandona a atividade profissional de que sempre sobreviveu, e dedica-se a tempo inteiro à MÚSICA e à POESIA.

Continua a compor, a cantar e a ir a todos os sítios onde as suas canções podem ter alguma utilidade.

Recentemente, a convite do grupo Canto D’Aqui de Braga, participou no concerto de Tributo a Zeca Afonso e Adriano Correia de Oliveira em 23 de Fevereiro no Theatro Circo de Braga, e no concerto Cantar Abril a 13 de Abril na Casa da Música do Porto.

Ligações

 Manuel Freire - Pedra Filosofal

 Manuel Freire - Eles

Discografia

Apoios Bobina Studio

Facebook Música e Músicos
Canal Youtube - Música e Músicos