MMSocial
A+ A A-

Sara Braga Simoes

Sara Braga Simoes, Soprano

Sara Braga Simões formou-se em Canto pela Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo do Porto em 2001, tendo mais tarde tirado o Mestrado na Universidade de Aveiro em 2011. Atualmente está a fazer o doutoramento em “Music Performance” na Universidade de Aveiro.

Sara Braga Simões venceu vários prémios nacionais e internacionais. A crítica internacional de ópera descreve-a como uma soprano de extensão impressionante (Opera Now) e com um desempenho excecional (Opera Magazine).

É convidada regular nas temporadas do Teatro Nacional de São Carlos e nos principais teatros, salas de concerto e festivais de música portugueses. Tem-se apresentado, também, em Espanha, França, Inglaterra, Eslovénia, Andorra e Moçambique.

Em ópera, interpretou dezenas de papéis principais dos quais se destacam Pamina (A Flauta Mágica), The Governess (The Turn of the Screw, Britten), Gretel (Hänsel und Gretel), Susanna (Le Nozze di Fígaro), Rita (Donizetti), Zerlina (Don Giovanni), Despina (Così fan Tutte), entre dezenas de outros.

O seu repertório concertístico abarca obras de compositores como Händel, Pergolesi, Vivaldi, Ravel, Berio, George Crumb, George Benjamin, Peter Maxwell Davies e também as obras Messiah de Händel (com a orquestra Metropolitana), Ein Deutsches Requiem de Brahms, Gloria de Poulenc (ambos para o Teatro Nacional de São Carlos) e Des Knaben Wunderhornde Mahler (para a Casa da Música), entre outras.

Sara Braga Simões foi a soprano escolhida para o papel principal feminino na estreia absoluta de sete óperas do século XXI e para a estreia de muitas obras de compositores consagrados como João Pedro Oliveira, Nuno Côrte-Real, Luís Tinoco, Carlos Azevedo e Aubert Lemeland. Destaca-se a estreia absoluta da ópera O Sonho de Pedro Amaral, em Londres, com a London Sinfonietta.

Foi dirigida por maestros como: Lawrence Renes, Martin André, Stefan Asbury, Peter Rundell, Johannes Willig, Laurence Cummings, Marcos Magalhães, Ferreira Lobo, Cesário Costa, António Saiote, Marc Tardue, Osvaldo Ferreira, Pierre-Andre Valade, entre outros.

Os seus concertos são frequentemente gravados pela RTP e RDP. Gravou, com o pianista Luís Pipa, a integral da obra para Canto e Piano de Eurico Thomaz de Lima.

Ao longo do seu percurso académico, Sara Braga Simões teve como mestres Manuela Bigail, Rui Taveira e Peter Harrison.Continuou os seus estudos em Londres com Susan McCulloch. Atualmente, recebe orientação de Elisabete Matos

Ligações

URL: sarabragasimoes.blogspot.pt

 Sara Braga Simões

All'opera apresenta - OPERITIVO SEM CALORIAS

all'opera apresenta - OPERITIVO SEM CALORIASAll'opera apresenta:

OPERITIVO SEM CALORIAS

25  de ABRIL, às 14h30 e 17h30

Entrada Gratuita

Neste divertido espectáculo recheado de grandes êxitos da ópera que todos reconhecerão, será o público a escolher a ordem do 'menu' (ou seja, do programa), de acordo com o apetite! O famoso ‘Brinde’ de Verdi será o mote para comemorar 100 anos de Theatro Circo!

O espectáculo, de cerca de meia hora, é de entrada gratuita. 

“Cantamos no duche, cantamos no trânsito e desta vez cantamos enquanto o petisco ganha forma e sabor no forno. Mesmo sem mesa posta, o público é chamado a escolher e saborear os petiscos dos Chefs da All’Opera. Sai um Caldo Verdi, um Papageno bem passado, um Donizetti à Braga, um Puccini bem puxado para abrir ainda mais o apetite! Sim, é só de um Operitivo que se trata! E sem calorias, que a saúde pública é um bem essencial! Venham brindar connosco: Hip, hip, All’Operaaaa!!!!”

 

Programa:

Donizetti: Tous les trois réunis (A Filha do Regimento)
Mozart: Der Vogelfänger bin ich ja (A Flauta Mágica)
Mozart: Pa-pa-pa-geno (A Flauta Mágica)
Lehar: Lippen schweigen (A viúva alegre)
Puccini: O mio babbino caro (Gianni Schicchi)
Tosti: A vucchella
Rossini: Tarantella
Rossini: Ziiti, zitti, piano, piano (O Barbeiro de Sevilha) 
Verdi: Libiamo ne’ lieti calici (La Traviata)

All'Opera 

Somos uma companhia de ópera itinerante que tem por objectivo responder ao crescente apelo do público pelo género operático. O nome 'all'Opera' - expressão italiana que significa 'ao trabalho' - espelha a nossa enorme vontade de alterar e dinamizar o panorama português da ópera. Pretendemos:

  • democratizar o espectáculo da ópera, levando produções a novos públicos e locais tradicionalmente não associados a este tipo de espectáculo;
  • contribuir para a dinamização da actividade operática em Portugal;
  • contribuir para a formação de um público mais exigente;
  • afirmar a ópera como um espectáculo popular e não elitista.


A all’Opera estreou-se em Agosto de 2014, com enorme sucesso, no Festival de Música Xiquitsi, em Maputo – Moçambique, com o espectáculo ‘Il Maestro di Música’, a partir de composições de Auletta e Pergolesi.

Seguiu-se a estreia em Portugal com a ópera ‘Rita’ de Donizetti, com encenação de António Durães, apresentada, de seguida, em Espanha com o aplauso da crítica. Em 2015 a companhia estreou a versão de 'Rita' com orquestra, com uma parceria com a Orquestra Clássica do Sul.

Carlos Brito Dias

Carlos Brito DiasCarlos Brito Dias (1991), Licenciado em Composição pela Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo (ESMAE), foi aluno de Fernando Lapa, Filipe Vieira, Dimitris Andrikopoulos, Eugénio Amorim, Daniel Moreira, Filipe Lopes, Carlos Guedes, entre outros.

Frequentou seminários e masterclasses com Filipe Lopes, Pascal Dusapin, Kaija Saariaho, Wolfgang Mitterer, Betty Olivero, Ivo Medek, Bruce Pennycook, Emmanuel Nunes, Marko Ciciliani, entre outros.

Também fez parte do projecto de música electrónica 343eNSEMBLE com alunos e professores da ESMAE.

Realizou vários cursos de Pedagogia Musical com Jorge Prendas, Jos Wuytack, Pierre van Hauwe, Lenka Pospisilova, Cláudia Oliveira e António Miguel. Frequentou o Curso Livre de Composição - Orquestração com Dimitris Andrikopoulos. Participou no 7º e 8º Estágio Internacional de Orquestra - Direcção de Orquestra com o maestro francês Jean-Sébastien Béreau e participou nas I Jornadas de Direcção Coral e Técnica Vocal Para Coros organizadas pela Universidade do Minho com Ghislane Morgan e Lluís Vila.

No âmbito de Fóruns organizados pela parceria ESMAE/Casa da Música, teve as suas obras Homenagem a um Fugidio e Claro-Escuro lidas pelo Remix Ensemble sob direcção de Peter Rundel e a sua obra Sonho esteve presente numa leitura da Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música dirigida por Iker Sanchez. Dirigiu o Coro e Orquestra da Sinfonieta de Braga.

Carlos Brito Dias, iniciou os seus estudos no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian em Braga tendo estudado Piano com Fernanda Salema. Mais tarde, iniciou os seus estudos em Composição com André Ruiz e de Trompete com Fernando Ribeiro.

Frequentou o Curso Livre de Dança Clássica.

Carlos Brito Dias - ConcertoActualmente frequenta o Mestrado em Composição no Conservatório Real de Antuérpia, onde é aluno de Wim Henderickx, Luc van Hove e Jorrit Tamminga.

As suas obras foram interpretadas em salas como o HardClub, Passos Manuel, Auditório Helena Sá e Costa, Museu Nogueira da Silva, Auditórios Adelina Caravana e Madalena Sá e Costa, Jardim de Inverno do Teatro S. Luís e deSingel.

Sofia Sarmento - Testemunho da minha experiência enquanto aluna de piano em Londres

O Desafio

Vim para Inglaterra no início deste ano letivo, em Setembro de 2013, a fim de realizar uma pós-graduação em piano performance, na Trinity Laban Conservatoire of Music and Dance - Universidade de Greenwich, em Londres. Tinha realizado os pré-requisitos de entrada meio ano antes, e depois de saber que a porta para a realização de um dos meus grandes sonhos se abrira, preparei toda a minha vinda.

Os motivos que me trouxeram a Londres prendem-se muito com as características da cidade em si, que me completam e me permitem crescer sob o ponto de vista pessoal e pianístico.

Se por um lado Londres é uma das cidades centro da música na Europa, com uma atividade artística muito forte e ao mais alto nível, por outro lado é também uma metrópole riquíssima em museus, catedrais, jardins e espaços bonitos e maravilhosos para se conhecer e visitar.

Sinto-me muito feliz e motivada, e seguirei contando um pouco da minha experiência na minha nova cidade.

A Universidade

A minha universidade situa-se no sudeste de Londres, um pouco afastado do centro (zona dois), numa área chamada Greenwich. É um dos espaços verdes da cidade, junto do rio Tamisa, e onde se encontra o meridiano que marca o relógio inglês e também português, servindo de referência para estabelecer os fusos horários. Algumas das atrações turísticas mais reconhecidas de Greenwich são o Museu Nacional Marítimo, o Observatório Real, o mercado típico londrino, a casa da Rainha, e o navio Cutty Sark. Considero o espaço especialmente bonito e agradável, e o ambiente envolvente muito pacífico e saudável.

Durante a semana estou regularmente muito preenchida com todas as atividades que tenho na universidade. A minha pós-graduação é muito vocacionada sobre a vertente prática do piano, e tenho aulas todos os dias de disciplinas variadas como piano, música de câmara, improvisação, acompanhamento, pedagogia de piano, portfólio artístico, e uma espécie de masterclasse ou aula de piano em grupo para todos os alunos, às quintas-feiras, a que chamamos Tutorial Classe.

O plano curricular dá-nos uma visão muito vasta sobre as várias competências da performance, preparando-nos de forma muito aberta e consciente para o tipo de vida e de carreira que as pessoas têm nesta área em Inglaterra depois de terminar um curso. É bom sentir que aprendo coisas novas e que o espírito aqui é sempre muito aberto a novos conceitos (“open mind”).

Tenho investido muito tempo no estudo de piano, preparando novo repertório e participando em projetos muito variados que me permitem alargar a minha experiência tanto a solo como em música de câmara, e tudo isso se torna possível devido às condições físicas da escola, que dispõe de imensas salas com pianos de cauda para estudar, e ao acompanhamento muito personalizado que temos por parte dos nossos professores.

Multiculturalidades

A classe de piano da escola é constituída por alunos de vários países europeus (França, Itália, República Checa, Grécia, etc.) e asiáticos (China, Japão). O nível é bastante alto o que incentiva um estudo muito metódico, e todos estamos inseridos dentro de um plano de atividades como ciclos de recitais de piano organizados em várias igrejas e espaços ao redor da escola, ou a ela relacionados.

Sinto que ter conquistado a oportunidade de estudar nesta escola tem sido um objetivo muito bem recompensado por tudo o quanto tenho aprendido nela, as oportunidades que através dela posso usufruir e todas as pessoas que aqui tenho conhecido. Londres é uma cidade culturalmente fantástica pelo que toda a minha experiência aqui tem contribuído imenso para o meu enriquecimento musical.

Apoios Bobina Studio

Facebook Música e Músicos
Canal Youtube - Música e Músicos