MMSocial
A+ A A-

Arrefole

Os Arrefole – Folk progressivo português, são um grupo português que procura interpretar a música representativa do povo, vendo-a como fundamental para a compreensão da realidade do nosso tempo.

“Oriundos de um meio urbano, tentam recriar uma experiência sonora que tenha a ruralidade como pano de fundo.(...) Encravados no eterno conflito entre tradição e modernidade, entre um tempo que insistem ainda não ter passado, e outro, que estão seguros que já chegou, tocam o que a sensibilidade e a circunstância de um povo lhes transmite...” 

Embora o nome e a banda Arrefole exista desde 2000, em jeito de laboratório de experiências sonoras no universo da música tradicional, o projecto Folk, surge e desabrocha verdadeiramente em 2006 com o lançamento do primeiro trabalho discográfico – o álbum “Veículo Climatizado”, editado em CD, resulta com um vincado carácter concetual, embora nascido do manancial de temas tradicionais tocados ao vivo em concertos por todo o País (Portugal Continental e Ilhas), nas vizinhas Galiza e Castela (Espanha) e na Alemanha, onde cativam o público com a sua energia e a alegria das suas músicas. Traduz-se num ponto de viragem, em que se pretende transformar um conjunto de boas ideias num projeto sério e duradouro.

Álbum

Este álbum “Veículo Climatizado”, foi distinguido como o Melhor Álbum Revelação de 2006 segundo o programa “Sopa de Pedra” da Rádio Universitária do Algarve.

Renascidos em 2009, respondendo a um público fiel que segue o seu trabalho com curiosidade e entusiasmo, encontram-se presentemente em pré-produção do 2º trabalho, que desejam mais maduro e prometem mais arrojado ainda.

Formação
 

Daniel Pereira

(Cavaquinho, Bandolim, Braguesa, Guitarra)

Gonçalo Cruz

(Gaitas de Fole europeias, whistles e flautas)

João Conceição

(Percussões)

Nuno Flores

(Guitarra e Bouzouki)

Raquel Ferreira

(Voz)

Ligações

Arrefole  – Viva quem toca o pandeiro

Arrefole  – Marinheiro

Arrefole  – Metromeno

Deserto

DesertoDeserto

Quarteto de Rock cantado em português. Quatro gerações criadas e inspiradas na vida suburbana ao redor da Grande Lisboa, encontram-se aqui no DESERTO, após 20 anos de rock em outros projetos como: Ex Votos, Sugar Baby Condoms, Khaos, MegaHertz, Lachrima Christi, Slamo, Why Angels Fall, Alternative 4, The Brunch. Reencontram-se na velha cidade que os criou e delinearam o seu próprio DESERTO. Com a inspiração gráfica de um velho amigo a completar a travessia e para contemplar o que se ouve, o que se sente!

“Querem tornar-nos um deserto de cultura, um deserto de educação, um deserto de valores. A música pode mudar o mundo! Não é apenas um lugar comum… é a cultura, estúpido! Esta é a nossa contribuição!”

Deserto - Formação

Deserto - Side B - louge live club

LigaçõesPaula Cordeiro Up Music Talents

URL: galandum.co.pt

facebook.com/Desertoproject

youtube - Deserto

viemo - Deserto -Filhos do Deserto

Banda Musical de Cabreiros, Associação Cultural, Musical, Artística e Recreativa

A Banda Musical de Cabreiros tomou presença no I Concurso de Bandas Filarmónicas do Distrito de Braga, realizado nos dias 6 e 7 de dezembro de 2014. Veja aqui um excerto da sua apresentação.

A Banda Musical de Cabreiros foi fundada em Janeiro de 1843 com o nome de Banda Musical de S. Miguel de Cabreiros. A sua fundação é atribuída ao Sr. João Martins Oliveir que,.além de fundador foi também regente durante vários anos.

Embora não exista qualquer documento ou testemunho sobre a sua fundação, chega-nos a através do livro de poemas históricos literários “A minha Aldeia”, do Reverendo e Monsenhor Alves da Rocha, neto do fundador, editado em 1949, no Rio de Janeiro.

Não existem registos sobre os primeiros cem anos da banda, a não ser algumas notícias de jornal sobre a sua participação em algumas festividades.

A Banda de Cabreiros viveu o seu apogeu nas décadas de 40 e 50, sendo, então dirigida pelo maestro Manuel Gonçalves e batia-se de igual para igual com muitas Bandas Militares dessa época, interpretando essencialmente obras clássicas.

Actualmente a Banda Musical de Cabreiros é composta por mais de 50 elementos, estando a sua direção artística ao cargo do Maestro Bruno Pinto.

A diversidade de idades dos músicos confere-lhe uma harmonia de ideias e uma sã convivência entre todos. A Banda tem sofrido uma evolução positiva em todos os aspetos realizando cerca de 30 atuações anuais (festas, romarias, procissões e concertos).

O futuro também está devidamente assegurado com uma Escola de Música com mais de 30 alunos de várias idades e origens.

Os alicerces são fortes, o espírito de grupo, união e gosto pela música e sobretudo pela Banda de Cabreiros, implementado pela sua equipa de professores, são o garante que esta “sementeira vai dar muitos e bons frutos”.

A Banda Musical de Cabreiros é associada da Federação Regional de Bandas Filarmónicas do Minho desde 1999, ano da fundação da Federação.

 

Maestro

Maestro Bruno PintoBruno Pinto

Bruno Manuel Correia de Sá Loureiro Pinto, nascido a 19 de Janeiro de 1981 na freguesia de Massarelos – Porto.

Iniciou os estudos musicais aos 9 anos de idade na escola de música da Banda Musical da Casa do Povo de Santa Marinha do Zêzere.

Ingressa na Banda como trompista, um ano mais tarde troca a trompa pelo Bombardino instrumento que executa atualmente.

Em 2002, ingressa no Ensino Superior no curso de Educação Musical no Instituto Piaget de Arcozelo, concluindo o mesmo em 2006.

Em 2004 Participou masterclass em Taveiro – Coimbra com o professor Sérgio Carolino.

Em 2006 foi um dos fundadores do quinteto que tinha por nome: “Zêzere Brass Quintet”.

Colaborou com diversas bandas filarmónicas como a Banda Marcial de Tarouquela e Municipal de Cinfães, Banda Juvenil de Magueija, Banda de Música de S. Vicente de Alfena, Orquestra do Grupo Musical Estrela de Argoncilhe, Banda Marcial da Foz – Filarmónica do Porto e da Sociedade Artística de Cinfães.

Trabalhou com diversos maestros onde se destacam José Augusto Ferreira, Alberto Madureira da Silva, Rafa Agulló-Albors, Carlos Melo, José I. Petit, Carlos Nunes, entre outros.

Foi maestro – adjunto da Banda Musical da Casa do Povo de Santa Marinha do Zêzere e da Banda Marcial da Foz – Filarmónica do Porto.

Em 2006/07 foi professor da Escola de Música da Casa do Povo de Santa Marinha do Zêzere.

Participou em cursos de Direção de Bandas em Santa Maria da Feira com o maestro José I. Petit e na Banda Sinfónica da Covilhã com o maestro Rafa Agulló-Albors.
Em 2007 foi maestro titular da Orquestra Ligeira da Casa do Povo de Santa Marinha do Zêzere.

Foi Diretor Artístico da Associação Banda 25 de Março – Macedo de Cavaleiros de Outubro de 2007 a Dezembro de 2010.

É Diretor Artístico da Banda Musical de Cabreiros desde Fevereiro de 2014. Frequenta o curso de Formação Continua de Maestros na Academia Portuguesa de Banda sob a orientação do Maestro Paulo Martins.

Atualmente é professor de Educação e Expressão Musical no Agrupamento de Escolas de Matosinhos.

 

Contactos

Largo do Monte das Cruzes, Nº 13
Cabreiros
4705 – 377 Braga

Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

TM: 919494492

 

 

MÃO MORTA

Os Mão Morta formaram-se em Braga em Novembro de 1984, estreando-se ao vivo em Janeiro do ano seguinte no Orfeão da Foz, no Porto. Depois de em 1986 ganharem o Prémio de Originalidade no III Concurso de Música Moderna do RRV, em Lisboa, editam o seu primeiro álbum, homónimo, em 1988. Aplaudidos pela imprensa musical e com uma crescente legião de fãs, rapidamente se tornam um grupo de culto, colhendo rasgados elogios de personalidades tão diversas como Nick Cave ou Jello Biafra (Dead Kennedys). Com uma discografia de doze álbuns de originais (a que se juntam registos ao vivo e compilações) – grande parte deles reiteradamente incluídos nas listas dos melhores do ano ou de sempre da música portuguesa –, com várias participações nos grandes eventos musicais do país (como Paredes de Coura, Alive, Rock in Rio ou Primavera Sound), com uma forte aposta na realização de espetáculos multimédia singulares – de que se destacam “Müller no Hotel Hessischer Hof”, estreado no Centro Cultural de Belém em 1997, ou “Maldoror”, estreado no Theatro Circo de Braga em 2007 – e com algumas incursões por Espanha, França, Itália ou Brasil, os Mão Morta, ao longo das últimas três décadas, souberam como ninguém aliar a música à literatura (trazendo à ribalta escritores e poetas como Heiner Müller, Guy Debord, Allen Ginsberg, Isidore Ducasse ou J. G. Ballard) e têm tido sempre uma palavra a dizer quanto ao rumo do rock feito em Portugal.

Clique para ler a biografia completa

Formação
      

Adolfo Luxúria Canibal

Vocalista e letrista

Miguel Pedro

Baterista, programador, compositor e produtor

António Rafael

Teclista, guitarrista, compositor e produtor

Sapo

Guitarrista

Vasco Vaz

Guitarrista e compositor

Joana Longobardi

Baixista

Discografia
1988 - "Mão Morta" 1990 - "Corações Felpudos" 1991 - "O.D., Rainha do Rock & Crawl" 1992 - "Mutantes S.21" 1994 - "Vénus em Chamas" 1995 - "Mão Morta Revisitada" 1997 - "Müller no Hotel Hessischer Hof" 1998 - "Há Já Muito Tempo Que Nesta Latrina o Ar Se Tornou Irrespirável"
2001 - "Primavera de Destroços" 2002 - "Ao Vivo na Aula Magna" 2003 - "Carícias Malícias" 2004 - "Nus" 2008 - "Maldoror" 2009 - "Rituais Transfigurados" 2009 - "Mão Morta 1988-1992" 2010 - "Pesadelo em Peluche"
             
2014 - "Pelo Meu Relógio São Horas de Matar"              

Apoios Bobina Studio

Facebook Música e Músicos
Canal Youtube - Música e Músicos