MMSocial
A+ A A-

Banda Filarmónica de Amares

A Banda de Amares assumiu o 2º lugar no I Concurso de Bandas Filarmónicas do Distrito de Braga.

A Banda Filarmónica de Amares, cuja fundação remonta a 1853, é actualmente constituída por 60 elementos estando a direcção artística entregue ao maestro Ângelo Fernandes.

A secular instituição apresenta hoje uma jovialidade e uma ambição artística ímpar bem patente nas diversas iniciativas que promove, entres as quais se destacam os inúmeros concertos em diversas localidades do país. O reconhecimento por parte da Câmara Municipal de Amares do seu valor artístico e social através da atribuição da Medalha de Mérito Cultural veio prestigiar ainda mais o vasto currículo desta instituição.

A evidente evolução da banda nos últimos anos baseada na formação e qualificação dos seus elementos foi coroada internacionalmente em Outubro de 2006, no VII Concurso Internacional de Bandas de Música em Malgrat del Mar (Barcelona), onde arrecadou o 2º prémio em termos colectivos e o prémio para melhor instrumentista. Num certame no qual concorreram 19 bandas de vários países europeus, a Banda Filarmónica de Amares motivou rasgados elogios da crítica internacional pelo seu Virtuosismo, Musicalidade e Magistral Som.

Em Abril de 2007, deslocou-se a Roma – Itália para participar no conceituado concurso internacional “La Bacchetta d’Oro” vencendo brilhantemente todos os prémios para os quais concorreu: 1º lugar em 1ª categoria, melhor maestro (Vitor Hugo Matos), melhor interpretação da obra obrigatória do concurso e ainda o “Trofeo Unione Musicale Ciociara” a coroar a banda com a maior classificação em todas as categorias (95.07%), aliás a mais alta classificação alguma vez atribuída em dez anos de concurso sendo por isso caracterizada pela imprensa italiana como “la bravísima banda portoghese”.

Em Junho de 2007 foi dirigida pelo conceituado maestro americano William Malambri, professor da Universidade de Winthrop – U.S.A.

Por tudo isto, é hoje firme convicção e dever da instituição continuar a aposta numa política de sustentabilidade, formação e qualidade baseada em elevados padrões de exigência, conferindo à Banda Filarmónica de Amares um elevado nível de profissionalismo e excelência, assumindo-se hoje como uma referência incontornável no panorama filarmónico português.

 

Maestro

Maestro Angelo Fernandes Angelo Fernandes

Ângelo Alberto Pereira Fernandes nasceu a 27 de Agosto de 1985, em Guimarães.

Iniciou os seus estudos musicais na Sociedade Musical de Pevidém, sob a orientação do Sr. Domingos Fernandes, e mais tarde integra a Banda Musical de Pevidém sob a direção do professor Francisco Ribeiro.

Em 1997 ingressou na Escola Profissional e Artística do Vale do Ave (ARTAVE), na classe de trompete, sob a orientação do professor Paulo Silva. Nesse mesmo ano integra a Orquestra Artavinhos sob a direção do professor Jaroslav Mikus, Francisco Ribeiro, Alexandre Samardjiev e Paulo Silva.

Em 1999 participou no primeiro concurso de Castelo de Paiva, onde obteve o terceiro prémio.

Nesse mesmo ano integra a Orquestra de Sopros ARTAVE dirigida pelo professor Kevin Wauldron, e mais tarde pelo professor Paulo Silva, e a Orquestra Sinfónica ARTAVE dirigida pelo Maestro António Soares, e mais tarde pelo maestro Roberto Perez. Nessa mesma orquestra já trabalhou com os seguintes maestros: Ernest Shelle, Emílio de César, Christoph Millet, António Saiote e Cesário Costa.

Em 2001 integra a Banda dos Bombeiros Voluntários de Amares dirigida pelo professor Vítor Matos.

Em 2003 finaliza o Curso Instrumentista de Sopro com a classificação de dezassete valores a trompete.

Nesse mesmo ano ingressa na Escola Superior de Música das Artes e do Espetáculo (ESMAE), na classe de trompete, sob a orientação do professor Kevin Wauldron. Também integrando a Orquestra Sinfonieta, dirigida pelo maestro António

Saiote. Nessa mesma orquestra já trabalhou com o maestro Cesário Costa e o maestro Ian Couver

Já participou em estágios de orquestras tais como, Orquestra dos Templários, dirigida pelo maestro Octávio Aroucas, e Orquestra Sinfónica Minho – Galaica, dirigida pelo professor Lourenço Cruz.

Desde 1998 a 2006 que participa nos Jovens Músicos de Guimarães com solista, e por vezes com executante da Orquestra de Sopros da Academia de Música Valentim Moreira de Sá, dirigida pelo professor Vítor Matos.

Já participou em cursos de aperfeiçoamento musical com trompetistas muito conceituados mundialmente, tais como: Steve Mason, André Henry, Eric Aubier, Pierre

Dutot, Fernando Ray Garcia, Hakan Hardenberger, Luís Gonzales e John Aigi.

Em 2005 e convidado para representar Portugal na Alemanha (Estugarda), pelo grupo dos LYONS. Nesse mesmo ano também e convidado para executar como reforço na Orquestra Sinfónica de S. Carlos.

Em 2006 participa na conferência de trompetistas (International Trumpets Guild) realizada em Filadélfia (UEA) e no concurso realizado pela mesma, onde obteve o terceiro prémio.

Foi membro fundador da Orquestra de Câmara do Minho sob a direção do maestro Vítor Matos.

Em 2007 é convidado para executar como reforço na Orquestra Nacional do Porto e na Orquestra do Norte.

Em 2008 até Dezembro de 2009 foi primeiro trompete solista da Orquestra do Norte (Associação Norte Cultural), tocando a solo com a mesma.

Nesse mesmo ano finaliza a Licenciatura Bietápica na Escola Superior de Música das Artes do Espetáculo (ESMAE) com dezoito valores a trompete.

Leccionou aulas de trompete na Academia de Música de Paredes; 2008 a 2013.

Frequenta o segundo ano de mestrado (via ensino) no Instituto Piaget de Viseu.

Em 2013 participa como orientador do naipe de trompetes no estágio Encontro Nacional de Jovens Músicos, (ENJM).

Atualmente Lecciona aulas de trompete e classe de conjunto na Academia de Música Valentim Moreira de Sá, é primeiro trompete solista na nova Orquestra de Guimarães e é o diretor artístico da Banda Filarmónica de Amares onde tem desenvolvido um trabalho de solidificação e elevação do nível artístico da mesma.

 

Contactos:

Rua Sá de Miranda, Nº 24
4720 – 351 Amares
TM: 933922399 | 936805477
Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Sítio na Web: www.bandadeamares.pt

 

Lilian Raquel e Claúdio César Ribeiro

Lilian e ClaúdioLilian Raquel e Claúdio César Ribeiro

Bastante elogiados pela crítica portuguesa e por artistas de renome internacional como Ivan Lins, Rosa Passos ou Alceu Valença, entre outros, estes dois brasileiros de nacionalidade portuguesa, eram mentores do Grupo “Amarelo Manga” , que editou o seu primeiro disco em 2009. Agora, resolveram fazer um trabalho em nome próprio, através da editora Numérica e que conta com a participação do cantor e compositor brasileiro Ivan Lins.

Radicados em Portugal há 14 anos, Lilian, no Brasil gravava jingles musicais de publicidade e fazia coros em vários discos de artistas como Alceu Valença, André Rio, Dominguinhos, Novinho da Paraíba, Naná Vasconcelos entre outros. Percorrendo, inclusive, em digressão pelo Brasil com o próprio Naná Vasconcelos. Em Portugal, trabalhou vários anos como cantora residente no Casino da Póvoa, fez coros com o grupo português “ GNR”, deu a sua voz à segunda edição do disco de música Pop em bossa nova , “Bossa Nossa “ editado pela Sony Music.

Lilian e Claúdio em palcoCláudio,conhecido como “ Cláudio Munheca” no Brasil tinha a banda “ Capitão Severo”, tocou com vários artistas, entre eles, André Rio, Elba Ramalho, Lula Queiroga, Lula Cortes, Maestro Spok, entre outros.

Em Portugal participou de discos de artistas como Cármen Souza,  Luísa Sobral, Maria João (famosa cantora portuguesa de jazz), Classificados, Ivan Lins e participou de concertos com  artistas como Carlos do Carmo e Paulo de Carvalho.

Também trabalha com produções discográficas, entre elas “ Bossa Nossa”, Snail, Jorge Goes, André Sarbib, Amarelo Manga , entre outros.

Atualmente, tem o seu trabalho de instrumentais originais em nome próprio, faz concertos em nome do grupo Lilian Raquel e Cláudio César e acompanha o cantor brasileiro Ivan Lins em digressões pela Europa.

Ligações

Lilian e Claúdio - "Letras de Canções"

facebook.com/lilianraqueleclaudiocesarribeiro

MÃO MORTA

Os Mão Morta formaram-se em Braga em Novembro de 1984, estreando-se ao vivo em Janeiro do ano seguinte no Orfeão da Foz, no Porto. Depois de em 1986 ganharem o Prémio de Originalidade no III Concurso de Música Moderna do RRV, em Lisboa, editam o seu primeiro álbum, homónimo, em 1988. Aplaudidos pela imprensa musical e com uma crescente legião de fãs, rapidamente se tornam um grupo de culto, colhendo rasgados elogios de personalidades tão diversas como Nick Cave ou Jello Biafra (Dead Kennedys). Com uma discografia de doze álbuns de originais (a que se juntam registos ao vivo e compilações) – grande parte deles reiteradamente incluídos nas listas dos melhores do ano ou de sempre da música portuguesa –, com várias participações nos grandes eventos musicais do país (como Paredes de Coura, Alive, Rock in Rio ou Primavera Sound), com uma forte aposta na realização de espetáculos multimédia singulares – de que se destacam “Müller no Hotel Hessischer Hof”, estreado no Centro Cultural de Belém em 1997, ou “Maldoror”, estreado no Theatro Circo de Braga em 2007 – e com algumas incursões por Espanha, França, Itália ou Brasil, os Mão Morta, ao longo das últimas três décadas, souberam como ninguém aliar a música à literatura (trazendo à ribalta escritores e poetas como Heiner Müller, Guy Debord, Allen Ginsberg, Isidore Ducasse ou J. G. Ballard) e têm tido sempre uma palavra a dizer quanto ao rumo do rock feito em Portugal.

Clique para ler a biografia completa

Formação
      

Adolfo Luxúria Canibal

Vocalista e letrista

Miguel Pedro

Baterista, programador, compositor e produtor

António Rafael

Teclista, guitarrista, compositor e produtor

Sapo

Guitarrista

Vasco Vaz

Guitarrista e compositor

Joana Longobardi

Baixista

Discografia
1988 - "Mão Morta" 1990 - "Corações Felpudos" 1991 - "O.D., Rainha do Rock & Crawl" 1992 - "Mutantes S.21" 1994 - "Vénus em Chamas" 1995 - "Mão Morta Revisitada" 1997 - "Müller no Hotel Hessischer Hof" 1998 - "Há Já Muito Tempo Que Nesta Latrina o Ar Se Tornou Irrespirável"
2001 - "Primavera de Destroços" 2002 - "Ao Vivo na Aula Magna" 2003 - "Carícias Malícias" 2004 - "Nus" 2008 - "Maldoror" 2009 - "Rituais Transfigurados" 2009 - "Mão Morta 1988-1992" 2010 - "Pesadelo em Peluche"
             
2014 - "Pelo Meu Relógio São Horas de Matar"              

Galandum Galundaina

Galandum Galundaina é um grupo de música tradicional, criado com o objetivo de recolher, investigar e divulgar o património musical, as danças e a língua das terras de Miranda do Douro, Portugal.

Com quase 20 anos de existência desenvolve vários trabalhos. Para além da edição de três discos e um DVD ao vivo, é também da sua responsabilidade o renascimento e novo interesse pela música tradicional da sua terra; a padronização da gaita-de-foles mirandesa; organização e apoio técnico de vários festivais e outros eventos. Ao longo dos últimos anos, elementos do grupo interessaram-se pela construção de instrumentos musicais de raíz tradicional e atualmente grande parte dos instrumentos usados em concerto são da sua autoria.

Os álbuns editados têm tido uma excelente apreciação pela crítica especializada. Em 2010 para além da atribuição do Prémio Megafone, o álbum Senhor Galandum foi reconhecido pelos jornais Público e Blitz como um dos dez melhores álbuns nacionais.

Do roteiro do grupo fazem parte alguns dos mais importantes festivais de música tradicional/”world music” em Portugal, Espanha, França, Itália, Bélgica, Alemanha, Cuba, Cabo Verde, Brasil, México e Malásia.

 

2001: L Purmeiro 

2005: Modas i Anzonas

2006: Galandum Galundaina ao vivo (DVD)

2010: Senhor Galandum 

Ligações

URL: galandum.co.pt

 Galandum Galundaina - Nós tenemos muitos nabos

 Galandum Galundaina - Fraile Cornudo

Galandum Galundaina - A excelência da modernidade enraizada, por Mário Correia

Apoios Bobina Studio

Facebook Música e Músicos
Canal Youtube - Música e Músicos